segunda-feira, novembro 23, 2009

O que era, um dia será?

Um dia de sol brilhante e quente um dia já foi sinal de dia bom.
Um dia de sol véspera de verão era sempre sinal de liberdade de corpo e alma.
Quando os dias tornaram-se noites?
Quando o sol perdeu seu brilho?
Quando nem a lua cheia trouxe encanto?
Quando os sonhos enraram no baú?
Será que no ajuntamento dos cacos de cada queda foram sempre ficando espaços vazios e hoje eles são tudo?


Sempre tive medo de fechar os olhos e não saber mais abri-los.
Sempre tive medo de não falar e depois nunca mais saber o que dizer.
Sempre tive medo de parar e nunca mais poder seguir.
Meus olhos temem não se manter abertos.
Minha voz já não sabe muito o que dizer.
Meus passos trôpegos erram a direção e não chegam a lugar nenhum.
Sempre tive medo de não mais amar e o amor que em mim dava sentido a vida já não ama, já não espera, já não sabe.
Filhos, trabalho, amigos, dinheiro, tudo é nada se nos perdemos em nós.

O que dizem sobre o mundo não parar enquanto você junta os cacos, enquanto você não estiver pronta para seguir é verdade.
Nada nem ninguém te impede de ficar onde está.
Nada nem ninguém te impede de não querer seguir.
Todos estão indo?
Alguém vai ficar?
As dores são iguais?
E as curas?
A tristeza é uma loucura?
Ou é a loucura uma grande alegria?
Não sou louca.
Não sou triste.
Não sou alegre.
O que então sou eu? Um grande engano?

Queridos amigos, ainda estou com dificuldades para visitá-los, mas acredito que mesmo sem o computar chefe, conseguirei fazer isso ao longo da semana. Grande abraço, saudades. Que seja de paz e bem nosso próximos dias.

quinta-feira, novembro 12, 2009

Ausência forçada

SONHOS PERDIDOS E ESQUECIDOS

Os dias de sol brilhantes não trouxeram brilho à alma.
É o sol que não encanta mais ou seu coração que perdeu o poder de admiração?
A grande chuva não lavou suas dores e o apagão mostrou a escuridão de seu ser.
Ela se perdeu, ela está perdida e nem sabe onde e como se encontrar.
Não se sabe nem se encontrar-se é possível ou é a solução
já que viver virou instinto, deixou de ser vontade.
Ela não é veneno para si mas não é também o que salva.
Ela se esqueceu de como é ou não se lembra mais como é sorrir um sorriso bobo,
verte apenas lágrimas doloridas, lágrimas de perdas e danos.
Perdeu a si, perdeu o que não tinha, perdeu o que queria e hoje o que tem não lhe pertence e ela já não sabe como ter.
Virar a esquina ou dar de cara no muro é o mesmo lado de uma moeda sem valor e não seguir, ficar onde está, correr sem parar, nada parece ajudá-la a chegar.


Amigos, as visitas talvez não sejam possíveis pois meu computador entrou em pane e provavelmente eu demore para ressussitá-lo mas sendo possível farei com prazer pois lê-los é confortante.
Grande abraço e um cheio de vida final de semana.

quinta-feira, outubro 29, 2009

Muitos assuntos.

Gosto muito de ler crônicas, é minha leitura predileta. E como vivo muito sozinha, eu as escrevo mentalmente o tempo todo, pena que ao tentar reproduzi-las quando estou em condições de escrever nem sempre sai como a que foi feita em pensamento. E isso acontece também com poemas. Sem modéstia, escrevo coisas maravilhosas com a mente.
Todos sabemos que tudo pode virar uma crônica, até falta de assunto já virou.
Como ainda não findou o mês de outubro permito-me ainda falar de professores, mesmo que o assunto ideal para o momento seria o dia das bruxas mas isso causa discussão pois os defensores de nosso folclore acha um absurdo comemorarmos ou difundirmos coisas da cultura alheira. Mas não somos nós o país da diversidade cultural? Então, por que a crise?
Bom, mas por que falei dos professores? É que temos alguns representantes da classe que parece aluno. Por que digo isso? Porque reproduzem o que leram sem visão crítica, como verdade absoluta e o que é pior na maioria das vezes tomam a fala como se fosse deles.
O que fazem como os alunos da rede pública em sua grande maioria empurrando-lhes projetos que apenas privilegia os que não querem estudar. Estudar no sentido de acumular conhecimento que possibilite a aprovação num concurso público, uma boa pontuação no ENEM. Todos sabemos que com modificações mas é sempre cobrado conteúdo, então, porque permitir que o aluno não entenda que só os mais preparados tem chance de mudar seu destino?
Histórias de sucesso sem estudos não podem ser lidas como possíveis para todos, isso de querer fazer crer que basta querer, basta não desitir que tudo se realizarar é muito pois sabemos que é um conjunto de situações e pessoas que possibilitam o sucesso ou o fracasso. O que todos precisamos é estar prontos para as oportunidades.

Grande abraço e um maravilhoso fim de semana prolongado. Mais um. rs

quinta-feira, outubro 22, 2009

Contradições e certezas?

Não quero a vida
mas não paquero a morte.
Não quero mais o sonho
mas não vivo a realidade.
Da realidade não fujo
mas sonhos também não crio.
Me esqueci de amar
mas não renego afeto.
Onde estou?
Onde fui parar?
Quem meu grito pode ouvir
se já não sei nem mais falar.
Estou perdida em mim.
Estou presa em quem fui
pois ainda me ouço implorando por mim.
Mas não sei se me quero assim,
não sei se gosto de quem sou,
se gosto do que me tornei.
Estou gritando calada porque
não quero que ouçam que perdi.
Não quero que saibam que
em meu peito um coração calou, cansou.
Seu tum-tum é somente um susurro calmo
de quem vai indo pois parar não pode
mas caminhar não quer.
Fica, fica, fica, fica, fica.

Ela sempre quis ser amada
Ela nunca foi amada
Ela nunca soube amar
Ela nunca percebeu o amor.

De quem ela esperou o amor?
Dequem ela desdenhou o amor?
De quem ela precisou do amor?

Amar e não amar ela escolheu
Amar e não ser amada deram a ela
Em ambas situações a ela só o sofrer restou
Em uma, mais solidão que tudo.
Querer
Saber
Ser
Perceber
São todas ações que
só mesmo o vazio preenchido
por lembranças ficou.

Socorro
Na voz de Gal Costa

Socorro, não estou sentindo nada
Nem medo, nem calor, nem fogo
Não vai dar mais pra chorar, nem pra rir
Socorro, alguma alma, mesmo que penada
Me empreste suas penas
Já não sinto amor, nem dor, já não sinto nada
Socorro, alguém me dê um coração
Que esse já não bate, nem apanha
Por favor, uma emoção pequena
Qualquer coisa
Qualquer coisa que se sinta
Em tantos sentimentos
Deve ter algum que sirva
Socorro, alguma rua que me dê sentido
Em qualquer cruzamento, acostamento, encruzilhada
Socorro, eu já não sinto nada, nada

Um grande abraço, ótimo fim de semana para todos nós.

quarta-feira, outubro 14, 2009

Blogagem coletiva.

Como nosso feriado passou para sexta-feira e amanhã tenho que trabalhar, estou antecipando o post que faz parte de uma blogagem coletiva para o dia dos professores. Hoje minha realidade é o convívio com alunos do curso de formação de professores que ainda não entenderam qual a "missão" dos que contra tudo e contra todos ainda acreditam que através da educação pode se mudar o mundo pois ela muda as pessoas.

Por favor salvem a professorinha.

Salvar a professorinha seria no caso de alguns cursos de formação de professores mais empenho na efetiva formação das mesmas. Como aceitar que uma futura profissional da educação, formadora de opinião possa chegar ao final do curso sem o domínio da língua formal culta ou o domínio das quatro operações matemáticas?
Ao citar a língua culta formal não quero com isso dizer que é ela quem deve predominar, mas acredito que o aluno eve saber que sua professora é "diferente" dos outros falantes pois é no ensino fundamental primeiro ciclo que a criança reverencia o saber do professor e esse deve ter desenvoltura ao colocar-se em questões que vão além dos conteúdos e como isso pode acontecer se estão sendo formados profissionais com habilidades para recreação.
Talvez elas não consigam exercer a profissão e busquem outras alternativas, mas fica sempre a interrogação: Como ficarão as próximas gerações de alunos? Não terão o privilégio de terem a figura da "tia" orientadora, da tia auxiliadora do saber? E nós que os vemos mais tarde, não teremos mais a figura do aluno curioso cheio de lacunas a serem preenchidas por nós já que o mundo novo não dá conta de tudo, Como ficaremo?
O que nos resta fazer?
O que podemos fazer?

Uma música para ilustrar.

Bebida é agua
Comida é pasto
Você tem sede de que?
Você tem fome de que?
A gente não quer só comida,
A gente quer comida, diversão e arte
A gente não quer só comida,
A gente quer saída para qualquer parte, hum
A gente não quer só comida,
A gente quer bebida, diversão, balé
A gente não quer só comida,
A gente quer a vida como a vida quer
Bebida é agua
Comida é pasto
Você tem sede de que?
Você tem fome de que?
A gente não quer só comer,
A gente quer comer e quer fazer amor
A gente não quer só comer,
A gente quer prazer pra aliviar a dor
A gente não quer só dinheiro,
A gente quer dinheiro e felicidade
A gente não quer só dinheiro,
A gente quer inteiro e não pela metade
Bebida é agua
Comida é pasto
Você tem sede de que?
Você tem fome de que?
A gente não quer só comida,
A gente quer comida, diversão e arte
A gente não quer só comida,
A gente quer saída para qualquer parte, hum
A gente não quer só comida,
A gente quer bebida, diversão, balé
A gente não quer só comida,
A gente quer a vida como a vida quer
Bebida é agua
Comida é pasto
Você tem sede de que?
Você tem fome de que?
A gente não quer só comer,
A gente quer comer e quer fazer amor
A gente não quer só comer,
A gente quer prazer pra aliviar a dor
A gente não quer só dinheiro,
A gente quer dinheiro e felicidade
A gente não quer só dinheiro,
A gente quer inteiro e não pela metade
Desejo,
Necessidade e vontade
Necessidade e desejo
Necessidade e vontade
Necessidade e desejo
Necessidade e vontade, au
Grande abraço, um fim de semana de diversão, amor e sorte.

quinta-feira, outubro 08, 2009

Crescer é difícil.

Sentir-se grande não é nada fácil, fica sempre a sensação de desproteção, de necessidade de colo, de acalanto.
Como ser adulto? Se ainda precisamos de orientação e de porto.
Como ser adulto? Se ainda queremos correr e nos esconder dos perigos.
Como ser adulto? Se ainda temos medo de errar, de não agradar, de não ser feliz quando crescer.
Como ser adulto num mundo em que crianças não querem ser crianças ou não podem ser crianças? Porque tudo e todos as levam a serem pequenos adultos mal construídos.
Vou ficar aqui quietinha esperando que o tempo me pegue, me leve, me faça ser quem fui ou quem deveia ter sido ou quem ainda posso ser.

Grande abraço e que as crianças de suas vidas sejam símbolos de paz, alegria e amor e se alguma ainda habita seus interiores, que possam enfeitar o mundo com brincadeiras.

FELIZ DIA DAS CRIANÇAS.

quinta-feira, setembro 24, 2009

Educação ou falta dela.

Professores a beira de um ataque de nervos.
São várias as razões que estão levando a nós profissionais da área de educação a ficar sem saber o que fazer com alunos sem perspectiva, sem objetivo, sem interesse pelo saber.
Nem tudo o que é dito pelos especialistas faz sentido quando se lida com a realidade, pois eles trabalham com conceitos e teorias. Até se sabe que devemos adaptar a teoria à pratica, mas o resultado real não é o que eles colocam como possível.
Não acho que com ser humano devemos pensar em se salvar só alguns e dar-nos por satisfeitos.
Já se pensou que o problema fosse a fome, passou-se a dar merenda, já se pensou que o problema tinha relação com falta de material, hoje eles ganham livros, os quais muitos não levam para escola alegando que são muito pesados.
A falta de condições de chegar ao colégio também já foi apontado como um problema para a frequência, então, criou-se o riocard e muitos o usam para outras atividades e continuam faltando. Os atrasos vêm com a desculpa de que os ônibus não param, mas acordar mais cedo nem pensar. Mas o que ninguém fala é que eles não deixam de ir aos shows de axé, de pagode, de hip hop e de outros gêneros que um ou outro fogem ao círculo da cultura de massa.
Atribuo tudo a falta de uma família que ao longo do desenvolvimento de seus filhos fosse mostrando o valor do conhecimento, da educação, tanto para a vida pessoal quanto da profissional.

Reproduzirei o texto de uma aluna em que foi pedido que ela após ler dois textos, construísse um em forma de dissertação.
Textos dissertativos são aqueles em que se usa argumentos que sirvam de base para suas opinões, classificam-se em argumentativos e opinitivos.
O que foi sugerido era que os alunos lessem sobre o assunto para terem conhecimento sobre o mesmo para assim poderem formar uma opinião coerente.

Vejam o texto.

"Entrevistamos um aluno em uma das escolas do Rios de janeiro, e vimos que a opiniao dele foi a seguinte.
Ele disse que não aceitava a liberação da droga no país, pelo fato da destruição das famílias, e que ele não acha certo andar pela rua, tendo que ver pessoas drogadas andando no mesmo ambiente que ele.
Com base na entrevista, vimos que ele era um garoto com pensamentos no futuro, e que iria para frente com esses pensamentos positivos". (o texto foi transcrito como foi escrito)

Uma boa notícia: estou trabalhando com uma turma de supletivo do nono ano e posso dizer que mesmo com suas limitações é uma turma com muita vontade de aprender e isso é que nos motiva a trabalhar.
Uma notícia ruim: Trabalhei o mês de setembro no regime de GLP (hora extra) e fiquei sabendo hoje que não receberei. Até que a situação se regularize, ficarei sem ir à escola, e quem está preocupado com esses alunos interessados ou não?

Grande abraço e um final de semana maravilhoso.

Em função do post, recebi o convite e aceitei participar da blogagem coletiva em crítica, homenagem ou pedido de socorro ao professores.
Abençoada semana para todos nós.

quinta-feira, setembro 10, 2009

Passado, volta a ser presente.

Tudo o que eu queria na vida era uma vida simples.
Claro que a simplicidade sonhada rimava com felicidade.
Felicidade rima com cumplicidade e isso significa que
é preciso que o outro sintonize o canal da tua felicidade.
E, complicou.


Ando assim, assim.
Não que tenha assim uma razão.
Talvez apenas turbulência hormonal,
ou tão somente "desaceitação" da vida e das gentes.


Años
Fagner/ Mercedes Sosa

El tiempo pasa
Nos vamos poniendo viejos
El amor no nos reflejo como ayer
En cada conversacion
Cada beso, cada abrazo
Se impone siempre um pedazo de razón

Passam os anos
E como muda o que eu sinto
O que ontem era amor
Vai se tornando outro sentimento
Porque anos atrás
Tomar tua mão, roubar-te um beijo
Sem forçar o momento
Fazia parte de uma verdade ...

El tiempo pasa
Nos vamos poniendo viejos
El amor no nos reflejo como ayer
En cada conversacion
Cada beso, cada abrazo
Se impone siempre um pedazo de razón

Vamos viviendo
Viendo las horas que van passando
Las viejas discussiones
Se van perdiendo entre las razones ...
A todo dices que si
A nada digo que no
Para poder construir
Essa tremenda harmonia
Que pones viejos los corazones

El tiempo pasa
Nos vamos poniendo viejos
El amor no nos reflejo como ayer
En cada conversacion
Cada beso, cada abrazo
Se impone siempre um pedazo de razón

Vamos vivendo
Vendo as horas que vão passando
As velhas discussões
Vão se perdendo entre as razões
A tudo dizes que sim
A nada digo que não
Para poder construir ...
Esa tremenda harmonia
Que pone viejos los corazones

O tempo passa
Nos vamos poniendo viejos
El amor no nos reflejo como ayer
En cada conversacion
Cada beso, cada abrazo
Se impone siempre um pedazo de razón

quinta-feira, setembro 03, 2009

Chegou setembro, vem aí a primavera.

Não quero luxo nem lixo.
Rita Lee

Como vai você?
Assim como eu,
Uma pessoa comum,
Um filho de Deus,
Nessa canoa furada,
Remando contra a maré,
Não acredito em nada,
Até duvido da fé!

Não quero luxo nem lixo
Meu sonho é ser imortal, meu amor.
Não quero luxo nem lixo
Quero saúde para gozar no final!

Ouvi essa música e pensei em como eu a cantava e a sentia na alma assim como Saúde da mesma cantora e autora. E nos últimos dias tenho me sentido meio melancólica e algumas coisas que tenho ouvido me deixaram meio frustrada. Numa das minhas audições ouvi a conversa entre duas mulheres sobre a situação do Bispo Macedo em que elas diziam que não adianta tentarem "derrubar ele" porque ele é bom, ele salva, tira pessoas do vício da droga, do crime, do jogo, da bebida. Elas acreditam mesmo que tudo que é dito é inventado com a única intenção de deixar o maligno tomar conta.
Numa outra, uma aluna se vangloriava de chegar do baile depois das onze e não dá a mínima para as reclamações da mãe, ela demonstrava um certo desprezo pela mãe e isso fez com eu temesse pelo que sentem por mim minhas filhas já que como mãe sempre tenho que fazer o papel de má. Confesso que ando deixando um pouco pra lá algumas coisas mas não estou mais feliz por isso. Por isso acredito que filhos, melhor não tê-los.
Grande abraço e que tenhamos todos um maravilhoso fim de semana.

segunda-feira, agosto 24, 2009

Variados momentos.

Sou muito passiva, às vezes mais do que deveria, mas solto minha fera quando o assunto é ingratidão, desconsideração e hipocrisia.
Todos devem saber da obrigação da reposição das aulas pelos dias a mais por causa da hipedemia de gripe H1N1.
Bom, não acho que não deve ser feito, mas gostaria que fosse sério. Em muitos casos não será pois alguns professores têm compromissos aos sábados, assim como muitos alunos e pior, alunos que não têm comprometimento com a aprendizagem durante a semana terá num sábado? Tomara eu esteja errada e isso dê bons resultados.

Numa outra situação, fiquei indugnada porque numa das escolas em que trabalho os computadores das salas já chegaram e foi dito que seria responsabilidade nossa cuidar do equipamento e assim, não poderíamos sair da sala antes que o outro professor chegasse e foi o que fiz. Como quem me substituiria estava demorando, pedi a uma aluna que fosse avisar ao coordenador que respondeu que não custava nada eu esperar um pouco. O que ele não sabe é que se ficar havendo atrasos, o tempo da aula seguinte na outra turma será prejudicado e aí é que entra a hipocrisia da reposição de aulas. Mas o que me indignou foi a minha substituta chegar e dizer: "Ah, só você tá cumprindo isso" Então, pensei: " Ah, desculpa a minha falha"

Meu coração é muito grato.
Ele não deixa de agradecer
o carinho e a atenção que
vem recebendo.
Mas ele não esquece que
é o outro coração que
o faz perder o compasso.
Não, meu coração não é
ingrato. Ele vai bater
feliz e não fugir do
ritmo pois a música
que tocam para ele é
a que sempre quisemos ouvir
e assim, vai sorrindo sozinho
sonhando com o que só é real
no sonho.

Grande abraços amigos queridos. Que tenhamos todos uma linda, abençoada e produtiva semana.

terça-feira, agosto 11, 2009

Eu ando tão assim, assim.

Um café cai bem
-Oi, trouxe um café.
-Ah
-Sei que café não acalma, mas enquanto se bebe pode-se esquecer a dor.
-Ah
-Essa saudade não passa, mas vai chegar uma hora em que doerá menos.
-Ah
-Sei que sentes a falta dela, não pela ausência, mas por que não lhe vem a mente boas lembranças.

-Não se envergonhe de permitir que a vida continue, que amores aconteçam, que projetos se realizem. Não te foi pedido luto eterno, não te foi pedido que não cure a dor.
-Sei
-O que sentes é normal. Saudade, tristeza, melancolia e uma certa sensação de que poderia ter feito diferente, mas tudo foi como teve que ser e nos momentos em que achar que não, tome um café.
Vanna
Bjs, uma semana de dias de paz e bem.

quarta-feira, agosto 05, 2009

Ajudar ajuda.

O bem que falta

Em uma conhecida passagem do Evangelho, Jesus afirma que o homem vê mais fácil um argueiro no olho do irmão do que uma trave no próprio olho.
Trata-se de uma velha fissura da Humanidade, consistente na hipocrisia.
A criatura tende a desculpar em seu comportamento o que critica no agir do semelhante.
Contudo, no estudo do aperfeiçoamento da conduta, o homem deve começar por vigiar a si próprio.
Ele precisa corrigir-se em tudo aquilo que lhe desagrada no semelhante.
Muitos pregam contra os desperdícios dos administradores públicos.
Entretanto, instalam-se entre as paredes domésticas de forma exagerada.
É como se acreditassem ser destinados a atravessar a existência em uma carruagem de luxo, sobre lixo dourado.
Enquanto isso, muitos padecem de fome e de frio.
Outros criticam as autoridades, afirmando que são os verdugos do povo.
Mas, no recesso do próprio lar, esses críticos tiranizam os seus modestos auxiliares.
Há os que amaldiçoam a guerra e todos os que a promovem.
Contudo, no ambiente familiar, são truculentos quais feras selvagens.
Incontáveis homens apregoam a necessidade da pena de morte para os que enlouqueceram na delinquência.
Mas eles mesmos, perante pais, amigos e irmãos, manejam o punhal invisível da ingratidão.
Muitos lideram primorosas campanhas de socorro à infância desprotegida.
Ainda assim, enxotam, sem piedade, o primeiro menino infortunado que lhes roga auxílio.
Há quem se orgulhe de sua inteligência e cultura e se diga incomodado com a ignorância alheia.
No entanto, não se lembra de ensinar a quem ainda ignora as primeiras letras.
Vários dominam os intrincados ensinos da filosofia e são capazes de falar com brilho sobre ética e virtude.
Entretanto, encastelam-se no conforto individual, afirmando que a caridade é fábrica de preguiça.
Outros ensinam com sabedoria sobre bondade e simpatia.
Mas se movimentam, em seus recintos privados, entre melindres e aversões.
Não há nada de errado em refletir sobre equívocos, em saber, em falar e em ensinar.
Ocorre ser necessário conjugar reflexão, sentimento, palavras e atos, a fim de que o bem se faça pleno.
Quem consegue identificar o equívoco alheio também consegue perceber a própria realidade, desde que deseje.
Ninguém se torna sublime em um instante, mas é preciso tentar com sinceridade.
Primeiro, silenciar em si o vício de criticar gratuitamente o semelhante.
Segundo, retificar os próprios sentimentos e disciplinar os pensamentos.
Por fim, habituar-se a fazer todo o bem possível, sem esperar aplausos.
Para que você se pacifique, o bem que lhe falta não reside na conduta dos semelhantes.
O que o há de pacificar e conduzir à plenitude é o bem que você pode fazer, com os recursos que já possui.
Pense nisso.

Redação do Momento Espírita, com base no cap. L, do livro
Justiça Divina, pelo Espírito Emmanuel, psicografia de
Francisco Cândido Xavier, ed. Feb.
Em 23.07.2009.

Um grande abraço a todos e um dia dos pais feliz para todos os pais amigos.

sexta-feira, julho 31, 2009

Quem ou o que é que poeta?

Queridos amigos, fiquei muito horrada com o convite que recebi para Confraria dos poetas virtuais, mas não me sinto a altura dos participantes não só pela obra mas também pela produção que é muito escassa. Minhas composições sempre vieram em momentos de dor e solidão, senão vivo isso só sei cantar e mesmo assim as canções de hoje não falam o que vai em meu coração.
De qualquer forma é bom ter a crença dos outros de que o que escrevemos é pouco mas tem seu valor.
Grande abraço e agradeço o carinho pela passagem do meu aniversário e tomara um dia possamos comemorarmos juntos numa divertida festa.
Bom fim de semana para todos nós.

terça-feira, julho 21, 2009

25/07 - Meu aniversário





Mesmo os anos se somando, as mudanças no corpo acontecendo, ainda assim fazer aniversário me deixa feliz. Gosto dos parabéns, gosto das lembranças, amo os presentes (acho que é por que quase não ganhei quando era criança), fico envaidecida com as presenças, enfim, acredito que não seria assim se ao longo dos anos tivesse aprendido a renascer, recomeçar, seguir em frente e fazer novos amigos quando os antigos tiveram que ir em outra direção ou quando os amores não amaram o amor que eu amei. Só sei que sinto-me feliz, sinto-me viva, sinto-me esperançosa. O ano começou difícil mas Deus me ensinou a segurar firme o leme quando o mar fica revolto e assim as tempestades passam e sigo em paz para a praia.
Estar mais um ano comemorando meu aniversário com vocês é uma bênção que agradeço todos os dias a Deus.
Grande abraço, obrigada pelo carinho e amizade em todos os dias que estamos juntos. Ótima semana e um fim de semana de paz, bem e festa.

segunda-feira, julho 13, 2009

Olhos, olhar, dizer sem falar.

Havia tempos que aqueles olhos não me olhavam, assim, havia tempos que aquela emoção e sensação não me tomava conta do corpo e da alma. Não é certo, não é errado, é apenas sentimento. É permitido, talvez não deva ser concretizado.
Vê-lo de tão perto e senti-lo tão longe, caminhar ao seu lado numa estrada de sonhos e cheiro de mato e desejar tomar sua mão e seguir sem direção, sem destino. Sentir sua respiração, imaginar seus sonhos, querer deitar ao seu lado e aquecer meu corpo, acalmar meu coração e dar forma à chama que ardia. A noite deu lugar ao dia e a manhã fria não esvaziou a mente das vontades e das insanidades que o corpo insiste em desejar. Vou para lá, venho para cá e tudo me faz esperar cruzar seu caminho ou seguir em sua direção para dizer com olhos o que a voz só pode calar. Seu olhar me arrepia, me alucina e não quero fugir, quero como num filme romântico, seguir caminhando em câmera lenta, vento fazendo balançar os cabelos e levantando os panos do vestido e assim me entregar em seus braços e num abraço deitarmos na grama e sem nada dizer deixar apenas que olhos, mãos, braços, bocas falem de fogo, paixão e tesão.
Ah, acordo e vejo que estou aqui e a realidade é apenas razão, verdade e vida que segue.

Amigos, uma semana de paz e bem e FELIZ DIA DO AMIGO, vocês são amigos que todo mundo deveria poder encontrar.
Um beijo amigo para todos vocês.

segunda-feira, julho 06, 2009

Ser ou estar feliz?

Investimento de sabedoria

Naqueles memoráveis dias, brilhava a Luz da Verdade que descera do infinito para iluminar o Mundo.
E porque a treva predominasse, o Embaixador Celeste narrou inúmeras parábolas que deveriam permanecer para sempre na memória da Humanidade.
Em maravilhoso amanhecer, Ele falou:
Lamed era um rei muito poderoso, que possuía terras a perder-se de vista, palácios e jóias valiosos, animais e escravos inumeráveis, invejado e bajulado por multidões.
Acreditava-se feliz, repousando na ociosidade dourada, engendrando planos para aumentar a fortuna, sempre receoso de ter o trono usurpado e os tesouros perdidos.
Na sua ganância havia perdido a paz e na temeridade em que se refugiava, passou a ser detestado.
O tempo furtava-lhe as energias, e à louçania juvenil tomaram o lugar a velhice, o cansaço e a debilidade orgânica.
Nesse ínterim, ele ouviu falar que havia duas pérolas de valor inestimável, que todos cobiçavam, mas ninguém possuía recursos para adquiri-las.
Eram únicas, por isso mesmo, incomparáveis e estavam à disposição de quem as pudesse comprar.
Porque já não administrasse os seus bens e domínios, quase exaurido, sem entusiasmo nem fé, o ancião resolveu vender tudo quanto possuía.
Ao concluir todas as negociações, deu-se conta que amontoara o exato valor para adquirir as duas pérolas incomuns.
Sem qualquer receio operou a troca, e nunca mais sofreu, nem se inquietou, nem receou a morte ou a vida.
Ao possuir os dois glóbulos brilhantes e nacarados, libertou-se de tudo e tornou-se totalmente feliz, porque as duas pérolas, nas quais investiu todos os bens, são o amor e a paz.
* * *
Será que estamos dispostos a investir todos nossos bens em tal conquista?
São tantos os bens que temos para investir: nossa inteligência, nossa saúde, nossas energias, nossa disposição.
Imaginemos a consequência de colocarmos todos esses bens a serviço deste objetivo: conseguir as pérolas do amor e da paz.
Eis um investimento de sabedoria, que sempre nos dará um retorno inestimável e perene.
Os bens materiais acabam, cedo ou tarde. Esses tesouros da alma, não. Uma vez conquistados, ficam conosco para sempre.
Nenhum amor se perde.
Quando passamos a amar alguém – amor de verdade, amor maduro – esta pérola fica conosco por toda eternidade. Não há quem possa nô-la tomar.
Quando temos a consciência em paz – dessa paz de quem faz o bem – nada pode usurpá-la. A paz do cumpridor da Lei de caridade é posse legítima.
Pensemos, reflitamos, e façamos nossa escolha.
Onde estamos aplicando nossos bens? Naquilo que acaba, ou naquilo que permanece?

Redação do Momento Espírita com base no cap. 5 do livro
A busca da perfeição, pelo Espírito Eros, psicografia de
Divaldo Pereira Franco, ed. Leal.
Em 06.07.2009.

Grande abraço e que seja de paz e bem nossa nova semana.

quinta-feira, junho 25, 2009

Gente é gente mesmo que não seja como a gente.

Costumo dizer que gosto de gente.
Pode ser gente de todos os tipos.
Gente branca, gente negra,
só precisa ser gente.
Tento sempre entender gente,
mas não posso negar que gente
é bem complicada quando parece
não saber o que é ser gente.
Gente tem que ser
Gente tem que querer
Gente tem que doar
Gente tem que aceitar
Gente tem que deixar pra lá
Gente tem que saber
Gente tem que entender
Gente tem que precisar
Para ser gente tem que
esquecer o que dizem sobre gente
tem que se sentir gente.

Uma música para ilustrar

Gente
Caetano Veloso
Composição: Indisponível

Gente olha pro céu
Gente quer saber o um
Gente é o lugar
De se perguntar o um
Das estrelas se perguntarem se tantas são
Cada, estrela se espanta à própria explosão
Gente é muito bom
Gente deve ser o bom
Tem de se cuidar
De se respeitar o bom
Está certo dizer que estrelas
Estão no olhar
De alguém que o amor te elegeu
Pra amar
Marina, Bethânia, Dolores,
Renata, Leilinha,
Suzana, Dedé
Gente viva, brilhando estrelas
Na noite
Gente quer comer
Gente que ser feliz
Gente quer respirar ar pelo nariz
Não, meu nego, não traia nunca
Essa força não
Essa força que mora em seu

Coração
Gente lavando roupa
Amassando pão
Gente pobre arrancando a vida
Com a mão
No coração da mata gente quer
Prosseguir
Quer durar, quer crescer,
Gente quer luzir
Rodrigo, Roberto, Caetano,
Moreno, Francisco,
Gilberto, João
Gente é pra brilhar,
Não pra morrer de fome
Gente deste planeta do céu
De anil
Gente, não entendo gente nada
Nos viu
Gente espelho de estrelas,
Reflexo do esplendor
Se as estrelas são tantas,
Só mesmo o amor
Maurício, Lucila, Gildásio,
Ivonete, Agripino,
Gracinha, Zezé
Gente espelho da vida,
Doce mistério



Tenho andado meio perdida em como agir e pensar sobre algumas "gentes". Nossa, é tão difícil acreditar que com tanta informação, tantas formas de formação, ainda haja no século XXI pessoas tão presas a conceitos, julgamentos, críticas, condenando ainda à marginalidade os que não professam mesma fé, não seguem as mesmas tendências, não vibram pelas mesmas coisas, ou seja, ainda estamos vivendo em blocos, ainda estamos, como dizia minha mãe, "Puxando brasa para nossa sardinha."
Tento ser como dizia a música dos Tribalistas "Eu sou de todo mundo e todo mundo me quer bem" Claro que minha interpretação para a frase é a que se a gente que tenho ao meu redor é diferente de mim, mas tem muito de gente em si, quero essa gente para mim.
Grande abraço e um maravilhoso fim de semana.

quarta-feira, junho 17, 2009

Crônicas do cotidiano.

Quando ouvimos piadas sobre a ignorância das pessoas sobre a norma culta da língua rimos e nem sempre acreditamos que possa haver quem realmente a desconheça embora não a use em situações informais. Mas podem acreditar, existem sim pessoas que não só maltratam a Língua Portuguesa mas também a ignoram totalmente.
Tenho uma vizinha paraense e todos sabemos que eles usam a segunda pessoa e fazem corretamente a concordância e confesso que soa mal pois dá um tom muito formal à conversa e foi com ela que aconteceu o que contarei a seguir.
Ela conta que estava conversando com uma colega de trabalho e esta havia acabado de ter nenêm e ela então perguntou:
-Tu tiveste normal?
A colega respondeu em forma de pergunta, Hã?
Ela repetiu a mesma pergunta e a colega sem entender o porquê da pergunta respondeu:
-Me visto.
Minha vizinha não conteve a gargalhada.
Com a mesma vizinha, aconteceu também de uma outra colega perguntar-lhe sobre um recado que foi deixado na portaria. A pessoa perguntou se eles estavam sem síndico ao que minha vizinha respondeu que não sabia, que ninguém havia dito nada. Curiosa, ela perguntou o porquê da dúvida e a mulher falou que era por que estava escrito num recado deixado na portaria. A paraense então foi à portaria ler o recado e constatou que estava escrito.
"Senhores condôminos, é preciso economizar água no período do dia 26/06 a 01/07 pois serão feito reparos no castelo e o abastecimento será afetado. Sem mais, o síndico."

Depois dessas, não pude deixar de lembrar de uma piada em que a moça estava num baile funk e o rapaz suava muito e ela disse "Você sua hein??!!" Ao que o rapaz respondeu: "Eu também".
O que me deixa menos desesperada é que estes fazem parte de um grupo pequeno, um grupo um pouco maior comete pequenos deslizes na linguagem informal, mas se precisar sabe como recorrer a uma gramática para pelo menos só maltratar e jamais assassinar a nossa Língua que aceita estrangerismos e é bem flexível e que só quer ser bem tratada.

Ah, caso alguém precise de explicação para a piada, não se acanhe, pergunte.
Grande abraço e que tenhamos um maravilhoso fim de semana.

quinta-feira, junho 11, 2009

Mais uma vez e sempre o amor está no ar.

É dia dos enamorados, apaixonados, amantes, amados ou simplesmente acompanhados. Cada um tentando a seu jeito ser feliz e ficar bem. Somente isso pode explicar o namoro. Fora isso, ame somente a vida e as pessoas que fazem parte dela e a si mesmo.
Que o dia seja um convite para ficar juntos fazendo coisas prazerosas.
FELIZ DIA DOS NAMORADOS, que seja cheio de beijos e abraços gotosos.

Uma música para celebra o dia e desejando que o clima de romance permaneça por todo fim de semana e que o amor não seja eterno posto que é chama porém infinito enquanto dure.

Amor, meu grande amor
Não chegue na hora marcada
Assim como as canções
Como as paixões
E as palavras...

Me veja nos seus olhos
Na minha cara lavada
Me venha sem saber
Se sou fogo
Ou se sou água...

Amor, meu grande amor
Me chegue assim
Bem de repente
Sem nome ou sobrenome
Sem sentir
O que não sente...

Que tudo o que ofereço
É, meu calor, meu endereço
A vida do teu filho
Desde o fim, até o começo...

Amor, meu grande amor
Só dure o tempo que mereça
E quando me quiser
Que seja de qualquer maneira...

Enquanto me tiver
Que eu seja
O último e o primeiro
E quando eu te encontrar
Meu grande amor
Me reconheça...

Que tudo que ofereço
É, meu calor, meu endereço
A vida do teu filho
Desde o fim até o começo...

Amor, meu grande amor
Que eu seja
O último e o primeiro
E quando eu te encontrar
Meu grande amor
Por favor, me reconheça...

Pois tudo que ofereço
É, meu calor, meu endereço
A vida do teu filho
Desde o fim até o começo...(2x)

Grande beijo.

quarta-feira, junho 03, 2009

É implicância?

Muitos dizem que não gostam de assistir televisão comigo pois eu interajo demais, ou seja, fico dizendo que tal comportamento é inaceitável, que isso não existe, que provavelmente levará os desavisados de que o que está sendo veiculado na programação não é para se achar possível de viver na realidade, mas não adianta, eles vivem repetindo situações descabidas.
Hoje assisti a um pedaço de capítulo da novela Caminhos da Índia e mais uma vez vem a velha história do homem apaixonada por uma mulher que também o ama e mesmo assim não se acertam e tem uma outra que o ama também e no vai e vem dos encontros ela finge estar grávida e o cara acha que tem que se casar com ela e o amor é deixado de lado mesmo sabendo que serão três a sofrer já que estar casado por obrigação não transformará o que nem tinha nome em amor.
Mas o que mais me impressiona é o homem nem ao menos esperar para ver o que acontece, se a gravidez vai evoluir. Será que na vida real acontece esse tipo de coisa e eu é que nunca vivi por não acreditar ser possível acontecer?

Mudando de assunto, assiste no fim de semana passado à peça Hamlet. Mesmo sendo longa é muito interessante e olha que fora a celebre frase, "Ser ou não ser eis a questão" não conhecia nada do texto. Mas como nem só de arte vive o homem, tive meu momento tiete que ninguém é de ferro. rs





href="http://1.bp.blogspot.com/_OYgnKB0f0p0/SicuSma5RuI/AAAAAAAAAGo/urCwtb0VT54/s1600-h/Imagem+1066.jpg">

Grande beijo e maravilho fim de semana.

quinta-feira, maio 21, 2009

O que acontece depois que chegamos no topo?

Outro dia não sei onde, mas ouvi ou li uma frase que dizia mais ou menos isto: Nunca devemos chegar ao topo porque depois disso só nos resta descer.
Tenho sempre pensando nisso e percebi que realmente quando chegamos onde queríamos temos que traçar novas metas, novos objetivos pois senão, ficamos relembrando o trajeto, as dificuldades até se chegar no ponto.
Vi também que para algumas pessoas é difícil se livrar de suas dificuldades porque na verdade sabem que sem elas não são ninguém, não tem muito o que fazer e por isso se demoram em relações sofridas, não se permitem viver sem dívidas, sem conflitos com as pessoas ou vivem a vida a reclamar de tudo e de todos sem nada fazer para ver que o que está ruim é o que está em sua mente, é o que não aprendeu o que já sofreu e assim ainda sofre.
Ve-se que a vida é a mesma quando tudo passa e se não se encontra uma nova razão para ela, vive-se apenas vendo a vida passar.

Não conheço a música, digitei algumas palavras e deu nela.

Real sentido
Webys

Eu já falei que é difícil de conciliar
O meu mundo interno com tudo que há lá fora
Mas apesar de não estar tentando em vão
Separar a razão da emoção
Sinto que agora é hora de mudar

A cada dia que passava, eu me sentia mais
Longe de mim
Se ao menos o tempo me trouxer a resposta

Lembrar que não há nada que me impeça
Seu silêncio já me faz consentir
Não exitar, não me entregar
Você vai ver em meus olhos o real sentido

E agora vejo que tudo faz sentido
As noites em claro, os dias em depressão
Tudo isso me levou a um só pensamento:
Que não há mais nada capaz de me deter

A cada dia que passava, a dor aumentava
E eu me sentia mais longe de mim.

Lembrar que não há nada que me impeça
Seu silêncio já me faz consentir
Não exitar, não me entregar
Você vai ver em meus olhos o real sentido

Que todo dia seja novo, novo na vontade de torná-lo melhor.
Grande beijo e um ótimo fim de semana para todos nós.

segunda-feira, maio 11, 2009

Ainda o amor

Ainda o amor
Nos dias que vivemos, muito se ouve falar a respeito do amor. Suspiram os jovens por sua chegada, idealizando cores suaves e delicados tons.
Alguns o confundem com as paixões violentas e degradantes e, por isso mesmo, afirmam que o amor acaba.
Entretanto, o amor já foi definido pelos Espíritos do Bem como o mais sublime dos sentimentos. Reveste-se de tranquilidade e confere paz a quem o vivencia.
Não é produto de momentos, mas construção laboriosa e paciente de dias que se multiplicam na escalada do tempo.
Narra o famoso escritor inglês Charles Dickens que dois recém-casados viviam modestamente. Dividiam as dificuldades e sustentavam-se na afeição pura e profunda que devotavam um ao outro.
Não possuíam senão o indispensável, mas cada um era portador de uma herança particular.
O jovem recebera como legado de família um relógio de bolso, que guardava com zelo. Na verdade não podia utilizá-lo por não ter uma corrente apropriada.
A esposa recebera da própria natureza uma herança maravilhosa: uma linda cabeleira. Cabelos longos, sedosos, fartos, que encantavam.
Mantinha-os sempre soltos, embora seu desejo fosse adquirir um grande e lindo pente que vira em uma vitrina, em certa oportunidade, para os prender no alto da cabeça, deixando que as mechas, caprichosas, bailassem até os ombros.
Transcorria o tempo e ambos acalentavam o seu desejo, sem ousar expor ao outro, desde que o dinheiro que entrava era todo direcionado para as necessidades básicas.
Em certa noite de Natal, estando ambos face a face, cada um estendeu ao outro, quase que ao mesmo tempo, um delicado embrulho.
Ela insistiu e ele abriu o seu primeiro. Um estranho sorriso bailou nos lábios do jovem. A esposa acabara de lhe dar a corrente para o relógio.
Segurando a preciosidade entre os dedos, foi a vez dele pedir a ela que abrisse o pacote que ele lhe dera.
Trêmula e emocionada, a esposa logo deteve em suas mãos o enorme pente para prender os seus cabelos, enquanto lágrimas significativas lhe rolavam pelas faces.
Olharam-se ambos e, profundamente emocionados descobriram que ele vendera o relógio para comprar o pente e ela vendera os cabelos para comprar a corrente do relógio.
Ante a surpresa, deram-se conta do quanto se amavam.
O amor não é somente um meio, é o fim essencial da vida.
Toda expressão de afeto propicia a renovação do entusiasmo, da qualidade de vida, de metas felizes em relação ao futuro.
O amor tem a capacidade de estimular o organismo e de lhe oferecer reações imunológicas, que proporcionam resistência para as células, que assim combatem as enfermidades invasoras.
O amor levanta as energias alquebradas e é essencial para a preservação da vida.
Eis porque ninguém consegue viver sem amor, em maior ou menor expressão.



Redação do Momento Espírita com base em conto de Charles Dickens.


Amigos, ainda às voltas com o fechamento do bimestre, não mais pelas correções, mas pelas reuniões pedagógicas e conselhos de classes. Mas, assim que der estarei em suas casas para uma conversa legal.
Grande beijo e uma semana de paz e bênçãos.

segunda-feira, maio 04, 2009

Eu, Ariela e Mães

Outono, gosto de melancolia.
Lembro quando menina,
ficava à tarde sozinha a sonhar.
Sonhava como o amor,
sonhava com o amado,
sonhava com o amante,
sonhava com a riqueza,
sonhava com a felicidade.
O amor veio e trouxe dores.
Amados vieram e nao amaram.
Amantes não foram amados.
A riqueza mudou seu valor.
A felicidade também.
Hoje ainda fica à tarde sozinha,
mas já não sonha mais.
Vanna

Ela
Cara de menina, alma de gente grande.
Olhos negros como a noite com brilho estelar.
Cabelos que hoje trazem a luz à noite de seus longos fios.
Ela grita, bate e chora, é um misto de dengo e força bruta.
Alguns sonhos já foram frustrados mas ainda os têm em seu coração.
Não mais caminha sem direção mesmo que em alguns momentos não saiba para onde ir.
Ainda quer colo e carinho, mas isso todos queremos mesmo que não tenhamos mais 15 anos.

10/05 - Aniversário da minha caçula. 15 anos.

Mães
Sempre que se fala de mãe, ri-se de seus exageros nos cuidados com os filhos.
Fala-se no sentimento de sufocamento dos filhos pelo amor demonstrado em forma de cuidados exagerados.
Algumas cuidam pouco e dizem que amam mais, mas amor de mãe é mesmo cuidado exagerado.
Mãe que ama diz não, manda se calçar, se agasalhar, se educar, aprender, obedecer, respeitar, agradecer.
Mãe que ama dá a mão, diz a direção, ajuda na evolução mesmo que os filhos só descubram isso quando já não forem mais só filhos.
Para todas as mães que não tiveram medo de não serem amadas porque não eram apenas sim e diversão, um FELIZ DIA DAS MÃES.

Grande beijo e que a semana seja de paz e alegrias.

Amigos, tenho tido dificuldades em visitá-los porque estou em fechamento de bimestre mas assim que puder irei até vocês com o maior prazer.

quinta-feira, abril 16, 2009

Indignação e resignação.

Na vida temos um momento para tudo.
Ora nos resignamos ora nos indignamos.
Mas talvez num e noutro momento
fique mesmo somente o sentimento.
Nesses momentos ficam os julgamentos,
as críticas, a repetição de conceitos
e preconceitos mas atitude ...

Por que tudo isso? Porque nos indignamos
com as notícias que vemos na tevê, jornais
e revistas e depois de muita falação,
seguimos resignados pois nada "podemos" fazer.
Não "podemos" porque não queremos.

Não queremos nos envolver, não queremos nos comprometer,
não queremos nos indispor.
As pessoas que promovem o caus social em todas as esferas
são as que não lêem sobre as causas e efeitos de seus atos
e assim acabamos falando sempre para os mesmos e
para os que se importam com a falta de educação,
com a falta de moral, com a falta de ética,
resta apenas a indignação e aos que deveriam se juntas a estes,
fica apenas a resignação.

Legião nos faz um retrato dessa gente.

Metrópole
"É sangue mesmo, não é mertiolate."
E todos querem ver
E comentar a novidade.

"Ó tão emocionante um acidente de verdade."
Estão todos satisfeitos
Com o sucesso do desastre:

"- Vai passar na televisão."

"Por gentileza, aguarde um momento.
Sem carteirinha, não tem atendimento
Carteira de trabalho assinada, sim senhor.
Olha o tumulto: façam fila por favor."

"- Todos com a documentação"

"- Quem não tem senha, não tem lugar marcado.
Eu sinto muito, mas já passa do horário.
Entendo seu problema mas não posso resolver:
É contra o regulamento, está bem aqui, pode ver."

Ordens são ordens.

"- Em todo caso já temos sua ficha.
Só falta o recibo comprovando residência.
P'ra limpar todo esse sangue, chamei a faxineira
E agora eu já vou indo senão eu perco a novela

E eu não quero ficar na mão."

Grande abraço e que o fim de semana e a semana de muitos feriados e enforcamentos sejam de paz, alegria e bem.

quinta-feira, abril 02, 2009

Saudades.

Bom dia amigos.
Nossa, tenho sentindo um silêncio. Os meus amigos cadê?
Por esta ausência, cantarolei esta música e resolvi postá-la.
Queridos, não estou aqui cobrando nada, sei das dificuldades de cada um e das minhas, só estou com saudades e sentindo falta de estarmos juntos na distância.
Grande beijo e o desejo de coração que todos estejam bem e que tenhamos um maravilhoso fim de semana.

EU ANDO PELO MUNDO PRESTANDO ATENÇÃO
EM CORES QUE EU NÃO SEI O NOME
CORES DE ALMODÓVAR
CORES DE FRIDA KAHLO, CORES
PASSEIO PELO ESCURO
EU PRESTO MUITA ATENÇÃO NO QUE MEU IRMÃO OUVE
E COMO UMA SEGUNDA PELE, UM CALO, UMA CASCA,
UMA CÁPSULA PROTETORA
EU QUERO CHEGAR ANTES
PRA SINALIZAR O ESTAR DE CADA COISA
FILTRAR SEUS GRAUS
EU ANDO PELO MUNDO DIVERTINDO GENTE
CHORANDO AO TELEFONE
E VENDO DOER A FOME NOS MENINOS QUE TÊM FOME

PELA JANELA DO QUARTO
PELA JANELA DO CARRO
PELA TELA, PELA JANELA
(QUEM É ELA, QUEM É ELA?)
EU VEJO TUDO ENQUADRADO
REMOTO CONTROLE

EU ANDO PELO MUNDO
E OS AUTOMÓVEIS CORREM PARA QUÊ?
AS CRIANÇAS CORREM PARA ONDE?
TRANSITO ENTRE DOIS LADOS DE UM LADO
EU GOSTO DE OPOSTOS
EXPONHO O MEU MODO, ME MOSTRO
EU CANTO PRA QUEM?

PELA JANELA DO QUARTO
PELA JANELA DO CARRO
PELA TELA, PELA JANELA
(QUEM É ELA, QUEM É ELA?)
EU VEJO TUDO ENQUADRADO
REMOTO CONTROLE

EU ANDO PELO MUNDO E MEUS AMIGOS, CADÊ?
MINHA ALEGRIA, MEU CANSAÇO?
MEU AMOR CADÊ VOCÊ?
EU ACORDEI
NÃO TEM NINGUÉM AO LADO

PELA JANELA DO QUARTO
PELA JANELA DO CARRO
PELA TELA, PELA JANELA
(QUEM É ELA, QUEM É ELA?)
EU VEJO TUDO ENQUADRADO
REMOTO CONTROLE
Adriana Calcanhoto.

domingo, março 22, 2009

Reconhecer o próprio "erro", primeiro passo

Li esta carta e vi que é verdade que quando entendemos que o inferno não é apenas o outro, viver juntos deixa de ser um problema.

Oi!

Acabei de voltar do psiquiatra.

Enquanto aguardava o meu horário, peguei uma revista para ler. Era a revista Época deste mês. A manchete era: “Por que as pessoas mentem?”. Assunto mais interessante para mim, naquele momento, não havia! Eu, ali, cheia de mágoas, de lágrimas, de dúvidas, de decepções e, o pior (ou melhor), com aquela mesma pergunta martelando na minha cabeça!

A reportagem cita vários episódios de mentiras por diferentes motivos, mas nenhum deles falava de amor. “Mentir por (pro) amor? Não dá para aceitar”, pensei eu.

Tive que interromper a leitura porque estava na hora da consulta. Aproveitei o gancho e começamos o papo, ou melhor, a sessão psiquiátrica. É incrível como o médico, cada um na sua especialidade, tem o poder de curar ou de mostrar onde ele, o paciente, está negligenciando. É o tal “esporro de médico”.

Pois é, hoje usei o consultório psiquiátrico para falar de você. Antes, só usava a terapia. E, falando em você, pela primeira vez, pude realmente enxergar-me. Acho que Deus usa os médicos para falar por Ele e para expressar o seu poder de cura. É claro que não me curei nessa consulta, mas tenho a certeza de que caminho para ela.

Depois de contar os últimos episódios, ela me fez várias perguntas, que respondi prontamente:

- Você o ama?

- Muito.

- Você acredita no amor dele?

- Lógico.

Você confia nele?

- Sim, porém..

Não consegui continuar.

Desandei a falar que estava inconformada com a sua resistência em me contar detalhes (você sabe sobre o quê), de não me relatar datas, vezes, listas de MSN, bloqueio de contatos, blá-blá, blá-blá...

Ela me perguntou: “Será que você não está tentando mudá-lo?" Caramba! Já ouvi isso tantas vezes! Será?

Minha mãe vive falando: “Filha, ninguém muda ninguém.”

Minha amiga irmãzona, me perguntou ontem: Você, com esse seu tratamento, quer se mudar ou mudá-lo?”

Ao chegar em casa, me deparei com a mesma revista que havia lido no consultório. Reli a reportagem. Dessa vez, com outros olhos. Prestei mais atenção não aos mentirosos, mas ao que os especialistas e filósofos dizem a respeito da mentira.

“A mentira é muita vez tão involuntária como a transpiração.” (Bentinho, de Dom Casmurro)

“ Machado de Assis retrata uma verdade: mentimos o tempo todo. Até sem perceber. Mentimos sobre nossa altura, nosso peso, nossa idade. Mentimos para nós mesmos, para suportar um recalque. Mentimos para nossos pais, para tranquilizá-los; e para nossos filhos, para que não sofram. Mentimos para os amigos, para não lhes ferir a autoestima, e para o chefe, para justificar o atraso. Mentimos para o guarda, para não tomar uma multa, e para o Fisco, para pagar menos impostos. Atletas mentem para competir drogados, investigadores mentem para apanhar criminosos, políticos mentem... por vários motivos. Há mentiras inofensivas; outras mudam a vida das pessoas e até provocam guerras.”

"Até que enfim alguém falou o que eu queria ouvir!”, pensei eu (eu, sempre achando que as pessoas vão dizer exatamente o quero ouvir!).

A mentira mudou a minha vida e deflagrou uma guerra entre nós e comigo mesma. "Será mesmo,me perguntei, que a culpa é da mentira?"

Não, não. Não vou acusá-lo dessa vez. O objetivo deste email é outro: desculpar-me com você. Como, após ler “A mentira acompanha a evolução do homem”, frase de um filósofo americano, poderia eu ainda querer acusá-lo de ser um mentiroso? Ele continua: “Sem essa estratégia, as relações em sociedade seriam um desastre.”

A reportagem ainda diz “que as pessoas mentem com facilidade quando o objetivo é criar uma imagem positiva de si”. Esse é o seu caso, não é mesmo? Não fique zangado, não quero ofendê-lo com isso. Estou tentando encontrar a cura para a doença que eu mesma intitulei “a doença da verdade”. É doentio achar que as pessoas não podem mentir para mim porque sou boa, e honesta, e generosa, e porque não minto (Será? Impossível, continuo a me perguntar!)

Li que “a evolução também pode explicar por que o homem continua mentindo para se defender”. Pronto, fechei questão: exigi demais de você. Devo-lhe pedidos de perdão. Aceite-os, são sinceros.

Para finalizar a leitura: “O mentiroso é a própria base da sociedade civilizada” (Oscar Wilde). Depois dessa, só me resta pedir perdão a Deus pela minha intransigência, pelo meu desrespeito ao meu amor, pela invasão da privacidade, por não ter sabido aceitar suas imperfeições, suas mentiras.

Grande mulher, a Hillary Clinton, que soube perdoar a seu marido e ainda continuou casada. Certamente, ela tinha seus interesses. E não é feio ter interesses. É perder para ganhar. Eu, ao contrário, não fui sábia o suficiente.

Bom, não quero que meu email soe como um pedido de casamento, nem quero, com isso, dizer que, de uma hora para outra, você tornou-se meu santo predileto. Quero apenas e sinceramente demonstrar aqui todo o meu arrependimento (não pelos socos, pois você bem que mereceu) pelo mal que causei ao nosso amor. Você não acredita em culpas, mas eu sim. Coloco na minha conta parte dela.

“Todo homem é culpado pelo bem que não fez.” (Voltaire)

Hoje, só hoje, percebi que não foi a mentira a causadora dos nossos problemas. Na verdade, o tempo todo usei-a como desculpa para o meu sofrimento. Ela foi o meu escudo.

Você falou grosso com meu filho: Como posso suportar isso, se você me traiu?

Você gritou comigo: Não posso aceitar suas desculpas, você é um mentiroso!

Você trata teu filho como um coitadinho: Ah, não! Além de ter que engolir mentiras, ainda tenho que aguentar calada uma postura dessa com um rapaz de quase 13 anos?!

Você mente para mim e ainda acha que tem o direito de me ignorar?

Vou pegar meus filhos, minhas coisas e vou me embora!

Agora, é dar tempo ao tempo, é cuidar da ferida, é fazer todo o bem para os que estimamos e, no mínimo, não desejar o mal àqueles que nos feriram.

Que este tenha sido o começo de uma vida a dois mais serena e feliz. Pois acredito que ter sempre razão não nos faz mais felizes.
Grande abraço e que tenhamos todos uma semana de (re)conhecimento de nós mesmos.

quinta-feira, março 19, 2009

Saudade dor que dói.



Sua irmã, minha tia criança que também quis ir mais cedo para o céu.





Ela, meu pai e minhas filhas antes da dor.



Sua irmã, minha tia criança que também quis ir mais cedo para o céu.


Mãe
Te vi me olhando sem me ver.
Te vi sofrendo sem chorar.
Te ouvi pedir socorro.
Fiz a ti o que era preciso fazer,
sem saber o que você queria que fosse feito.
O que você sentia?
O que você pensava?
Sei que em seu mundo vazio
você queria voltar de onde veio
e eu acreditava que voltaria
em algum momento, que logo estaria
pronta.
Mas você desistiu.
Temo que meu egoísmo, minha impaciência,
minha intolerância tenha te feito desejar
aliviar meu "sofrimento" e assim pediu
ao Pai que antecipasse sua hora.
Seja o que for, só desejo que esteja bem e
que me perdoe.
Fica com Deus e em paz.
Vanna - 09/02/09


Uma tristeza
Hoje te vi num sonho.
E nem assim te fiz sorrir.
Te vi do mesmo jeito,
olhar perdido,
alma doída,
vontade esquecida.
Desejo meu Deus
que meu sonho nunca
seja realidade,
pois no paraíso
das almas
é preciso paz.
Vanna 19/03/09

Partistes sem consciencia
mas eu me refiz...verdade!
Pois troquei a tua ausência
pela presença...em saudade.
Maria Rosa

Queridos amigos, não pensei que fosse tão difícil. Hoje entendo de verdade o que dizem que nos esquecemos o que era ruim nas relações quando não temos mais tempo para melhorá-las. Não que eu não tivesse feito muito por ela antes de toda dor, mas só hoje abandonei de vez as mágoas.
Como já disse antes, confio no tempo curador de todas as dores e esta passará e ficará mesmo só a saudade.
Que nosso fim de semana seja de paz e alegrias.
Beijos a todos.

domingo, março 15, 2009

Viver é aprender sempre.

Recebi este texto por e-mail e sei que as pessoas que mais deveriam ler talvez não terão acesso a ele, mas compartilhar com vocês me dá a esperança de que alguém possa levá-lo a quem precisa.
Grande abraço e que tenhamos uma semana abençoada e cheia de momentos de evolução.


Verdade libertadora

No dia 5 de fevereiro de 2004, vinte catadores de conchas chineses não voltaram para celebrar a festa do último dia do Ano Novo Chinês.
Eles jamais voltaram para suas famílias e seus amigos, para a sua terra natal.
Morreram no mar frio de um país estranho.
Eles ligaram para suas famílias, quando as ondas geladas lhes chegaram ao peito, disseram que iam morrer. Mas não discaram o número que lhes permitiria serem socorridos.
Eles desconheciam que existia.
Para fazer um trabalho muito perigoso, ganhavam muito pouco de seus patrões, que
lucravam bastante.
Perto do lugar onde morreram, havia placas de advertência sobre areia movediça e marés perigosas. Mas eles não as puderam ler. Não falavam, nem liam inglês.
Eram imigrantes chineses ilegais na Inglaterra, mas tinham necessidades humanas básicas e deviam ter direitos humanos básicos para os proteger.
Por que não tinham? Foram atraídos para o alto-mar por sonhos de ouro e pela ignorância.
Vinham de um país que não tinha um sistema legal independente antes de 1992. Nem um sistema de previdência social.
Sua terra está melhorando e se desenvolvendo, mas para aqueles vinte catadores de conchas é tarde demais.
Há mais de vinte séculos, um Sábio andou pela Terra e asseverou: Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará.
Sem adentrarmos os painéis filosóficos para decifrarmos o que é a verdade, podemos traduzir, para a realidade do agora, que o que o Grande Mestre estava ensinando é a necessidade do conhecimento.
Em Sua sabedoria ímpar, referia-Se Jesus ao conhecimento geral, não somente às questões espirituais.
Conhecendo, o homem debela enfermidades, aperfeiçoa tecnologia, não se permite ser presa dos maus.
Os dominadores, através dos séculos, têm buscado manter o povo na ignorância, pois mais fácil de ser manipulado.
Durante séculos, aprender a ler foi exclusividade dos homens ricos e poderosos.
Mesmo em questão religiosa, séculos se escoaram em que os livros bíblicos eram privilégio dos que viviam nos conventos e seminários.
Foi necessário que um grande missionário viesse à Terra e desse sua contribuição para a tecnologia da impressão e da tipografia, para mudar esse quadro.
Nascido na Mogúncia, no século XIV, Gutenberg inventou os tipos móveis de metal, melhorando o tipo de impressão já em uso na Europa.
Aperfeiçoando tintas à base de óleo para melhor usá-los, aperfeiçoou ainda uma prensa gráfica, inspirada nas prensas utilizadas para espremer as uvas.
A partir de então, de forma paulatina, o livro foi se tornando popular.
Conhecer a verdade. Ler, instruir-se, informar-se, ilustrar a mente.
Como se faz importante a leitura, o estudo.
Pensemos nisso e aproveitemos a oportunidade de saber, para construir mais rapidamente a nossa própria felicidade.
Redação do Momento Espírita com base em fato colhido no texto 20 de fevereiro de 2004do livro O que os chineses não comem, de Xinran, ed. Companhia das letras.

Em 12.03.2009.

segunda-feira, março 09, 2009

Melhor pouco que muito que acaba vazio.

Ouvi esta música recentemente e ela retrata muito o que sempre pensei sobre alguns homens e mulheres. Eles iniciam suas relações amando exageradamente tudo no outro, fazendo concessões para tudo e quando conquistam, mudam radicalmente e fazem o outro sofrer pois se vê obrigado a mudar e se não quiser ou puder, sofre e faz sofrer. Algumas pessoas precisam aprender a amar.

A História de Lily Braun (Chico e Edu Lobo)

Como num romance
O homem de meus sonhos
Me apareceu no dancing
Era mais um
Só que num relance
Os seus olhos me chuparam
Feito um zoom

Ele me comia
Com aqueles olhos
De comer fotografia
Eu disse cheese
E de close em close
Fui perdendo a pose
E até sorri, feliz

E voltou
Me ofereceu um drinque
Me chamou de anjo azul
Minha visão foi desde então
Ficando flou

Como no cinema
Me mandava às vezes
Uma rosa e um poema
Foco de luz
Eu, feito uma gema
Me desmilinguindo toda
Ao som do blues

Abusou do scotch
Disse que meu corpo
Era só dele aquela noite
Eu disse please
Xale no decote
Disparei com as faces
Rubras e febris

E voltou
No derradeiro show
Com dez poemas e um buquê
Eu disse adeus
Já vou com os meus
Numa turnê

Como amar esposa
Disse ele que agora
Só me amava como esposa
Não como star
Me amassou as rosas
Me queimou as fotos
Me beijou no altar

Nunca mais romance
Nunca mais cinema
Nunca mais drinque no dancing
Nunca mais cheese
Nunca uma espelunca
Uma rosa nunca
Nunca mais feliz

Grande beijo e que seja de amor sereno nossa semana.

domingo, março 01, 2009

A vida segue, o show não pode parar.

Queridos amigos, mesmo não tendo ido visitá-los saibam que me mantive ligada a vocês.

Hoje é dia do Rio, dia do Botafogo e dia de começar um novo mês e com ele vem a comemoração do dia Internacional da Mulher e nós merecemos isso mesmo quando nos esquecemos que somos muito porque somos sobreviventes e devíamos nunca nos permitir cair, menos ainda não levantar.

Recebi este texto e os ofereços a todas as mulheres.

EU CANTO
==/==/==
Sim...
Eu canto, um canto anestesia...
Do nascer ao morrer do dia.
Se canto espanto o assombro...
Senão, sem canto é pranto.
De tanto cantar meu canto,
acostumei a ouvir meu som...
Cada pedaço da hora
Jogo a dor pra fora...
limpo minhas entranhas.
Eu conto com o canto que canto
pra remover os lamentos
dos dias que se esfarelam e somem.
Não espante com meu estribilho...
faz parte do meu cantarolar sem rumo!
É o jeito que arrumo
pra enfrentar os males...
aqueles que assolam meu caminhar.
Desgastar-me com medos
não vou deixar...
Por isso, cantar eu canto...
vendo o raiar solar,
passando pelas frestas da mente cansada
da insônia noturna que faz meus olhos vermelhos...
Cumpro a jornada do tempo
mesmo sem tempo
e, caio na noite em canto...
encantada pelo brilho do que há de vir,
do que talvez virá,
do que pode ser,
do que será.
==/==
JULENI ANDRADE

Obrigada amigos pela solidariedade e pelo carinho. Que seja de paz e diversão nossa nova semana.

quinta-feira, fevereiro 05, 2009

Apenas para comunicar

que hoje pela manhã minha mãe foi tentar encontrar a felicidade junto a Deus e eu só posso crer q Ele vai ensiná-la a encontrar a paz que ela não soube enquanto esteve por aqui.
Amigos, ainda estarei ausente nas visitas e postagens mas meu coração estará agradecido para sempre pelo carinho e conforto que encontrei com vocês.

Recebi este poema e ele representa o momento.

Resignação
*
*
Jenario de Fátima.
*
*
Eu sei, tudo acabou, resta mais nada...
Agora é ter coragem de ir em frente.
No meio de minhálma abandonada
Meu peito já não dói, ficou dormente.
*
Apenas quando chega a madrugada,
E o sono foge assim completamente,
Parece que a saudade em forma alada,
Se faz inda mais forte, mais presente.
*
No meio do vazio que me enfeixa
E faz com que eu adentre sua porta,
Meu coração mergulha já sem queixa
*
Refém desta lembrança que o conforta.
Como o perfume que o Sândalo deixa
Na lâmina do machado que o corta...
*

Grande abraço e até breve quando a dor for menor.

segunda-feira, janeiro 19, 2009

Ausência forçada

Amigos, minha mãe vinha vindo tão bem, tanto q já teria alta da fisioterapia ao fim da próxima sessão, mas na quinta-feira começou a ter alteração na pressão e desde então ela está internada sem que se consiga controlar também a glicose e assim, voltou ao quadro inicial de prostração. Com isso, provavelmente ficará ainda mais difícil estar em contato com vocês via blogs, mas farei sempre que possível.
Ela não era assim e ela não está assim. Preciso ter fé que ela voltará a ser melhor do que está aqui.





Grande abraço, que tenhamos uma semana de bênçãos.

segunda-feira, janeiro 12, 2009

Comida, bebida e arte

Fui convidada para participar de um sarau de poesias no dia 09/01 na casa de uma amiga virtual que junto com outros são agora amigos reais.
Foi uma tarde em que não se teve só comida, tivemos também bebida e arte. Para 2009 meu desafio é compor um soneto já que conheci um artista que nos presenteou com seu livro só de sonetos.
Tudo ficou registrado em fotos que apresento agora para vocês.





Grande abraço a todos e que tenhamos uma semana produtiva, divertida e abençoada.

quinta-feira, janeiro 08, 2009

Que seja feita minha vontade.

Recebi por e-mail e como reflete meu momento atual, quis compartilhar.

TUDO OU NADA

Não quero ter ninguém contra a vontade.
Não quero ter ninguém só vez em quando.
Não quero ter ninguém com falsidade.
Não quero ter ninguém me incriminando.

Não quero ter ninguém pela metade.
Não quero ter ninguém se lamentando.
Não quero ter ninguém por vaidade.
Não quero ter ninguém me espionando.

Só quero ter alguém se for completo,
Onde os dois tenham o máximo prazer.
Algo claro, translúcido, direto.

Sem o medo d'alguma coisa errada.
Sem mentiras ou segredos pra esconder.
...E se não for assim!...Não quero nada...

Jenário de Fátima

Grande abraço e que tenhamos um maravilhoso fim de semana.

segunda-feira, janeiro 05, 2009

Álcool e adolescentes PODE??

Numa época em que se fala em lei seca para motoristas, como aceitar pacificamente que cada vez mais cedo os jovens começam a beber. E não estou falando de menores de famílias desajustadas ou desestruturadas, falo de famílias que permitem ou nem percebem que seus filhos ao voltarem das festas de amigos voltam "altinhos".
Estou falando disso pois estive numa festa de quinze anos neste fim de semana e fiquei chocada com a quantidade de meninos e meninas bebendo desde chopp a wisky.
Fico pensando que não deixamos nossos filhos irem a danceterias, shows ou outros eventos sozinhos porque tememos algo e não pensamos que algumas pessoas não se importarão se em suas festas menores beberão e nem se preocuparão com o que pode acontecer com os que os pais não vão buscá-los e o que é pior o que pode acontecer em suas festas se algum deles não souber lidar bem com os efeitos da bebida.
Bom, espero que minhas filhas saibam fugir desses meninos e das bebidas por um bom tempo.
Grande abraço e que todos saibamos desfrutar do prazer da bebida e da comida e de tudo sem excesso.
Abençoada semana para todos nós..

quinta-feira, janeiro 01, 2009

Enfim, chegou a hora de continuar ou recomeçar.

É, o ano agora já é novo.
Quando ele deixa de ser ano novo?
Quando percebemos que tudo continua igual?
Quando descobrimos que o melhor do ano é esperar por ele?

É mágico esse sentimento de renovação,
de recomeço.
É uma pena que muitos não se deixam contagiar
e realmente o ano não muda porque na verdade
são eles mesmos que permanecem com as mesmas crenças
de que tudo é ruim e nada presta.

Tomara mesmo que cada um tome para si
os desejos recebidos de tudo de bom e
faça o que for possível para que seja e
se não for assim bom, deixa pra lá,
apenas não se entregue, não fique triste
mais de um dia.

Use e abuse do direito de ficar bem.

Grande beijo e que façamos mesmo de 2009 um ano bom.
Maravilhoso primeiro fim de semana do ano.